sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Blue Moon...o que é isso?

Blue Moon significa algo muito raro, como sugere a expressão em inglês que abre este texto, comum em livros infantis de língua inglesa, e cuja possível tradução seria algo do tipo “era uma vez, como nunca...”.
Hoje está acorrendo o fenômeno astronômico conhecido com Blue Moon mas o que é isso?
A primeira ocasião em que a expressão Blue Moon apareceu na literatura foi em 1528, num poema pertencente a ninguém menos que William Shakespeare ao começar uma história dizendo que tudo aconteceu numa noite de Blue Moon pode significar uma lenda fantasiosa ou algo extremamente difícil de acontecer.
Aliás, Blue Moon tem diferentes conotações no idioma inglês pode exprime solidão, melancolia para enamorados que anseiam por um compromisso sério, a noite de Blue Moon é uma data mais que especial para iniciar um romance. Talvez um amor impossível.
O significado astronômico no entanto é puramente um mês que possue a ocorrência de duas luas cheias no mesmo mês,  não se sabe ao certo quando nem porquê – Blue Moon também passou a denominar a segunda Lua Cheia que acontece num mês. Normalmente os meses têm apenas uma Lua Cheia, pois o período que separa duas fases iguais é de aproximadamente 29,5 dias. Mas todos os meses, exceto fevereiro, são mais longos que isso. Assim, com um pouco de sorte é possível que a natureza encaixe duas luas cheias num único mês. E isso acontece 7 vezes a cada 19 anos, em média.
 Agora se você olhou para o céu e não percebeu a Lua azul não se preocupe não há nada de errado com o seus olhos...a mudança da cor de visualização da lua geralmente ocorre para tons de laranja quando em eclipses ou no por do Sol. Para a Lua ficar azulada é preciso que o ar contenha apenas partículas em suspensão maiores que o comprimento de onda da luz vermelha (menos de um milésimo de milímetro). Só assim essa cor é completamente absorvida, deixando passar o azul. Isso é muito difícil de acontecer, mas erupções vulcânicas e incêndios florestais podem produzir tais nuvens de partículas.


 



fotos: Helder Lima
fonte e maiores informações: www.zenite.nu?bluemoon

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Escolha o que o VLT vai observar e "tuíte" até ao VLT!



O ESO constrói e opera alguns dos mais avançados telescópios terrestres, incluindo o Very Large Telescope (VLT) instalado no Observatório do Paranal. Estas enormes máquinas têm feito descobertas extraordinárias sobre o Universo. Agora, pela primeira vez, você poderá decidir o que o VLT vai observar e até ganhar uma fantástica viagem ao deserto do Atacama no Chile, para ajudar a fazer as observações.
O primeiro dos nossos dois concursos de aniversário chama-se "Escolha o que o VLT vai observar".
Normalmente os astrônomos têm que preparar com bastante antecedência um plano de observação detalhado, descrevendo porque é que precisam observar com o VLT, e apenas uma pequena fração deles é que tem essa oportunidade. No entanto, para você vai ser muito mais simples.
O ESO já pré-selecionou alguns objetos celestes interessantes que estarão visíveis no céu no dia do 50º aniversário do ESO e que são apropriados para o campo de visão do VLT. Tudo o que você tem de fazer é votar no objeto que mais gosta. O que tiver mais votos será o objeto que o VLT observará em 5 de outubro de 2012, dia do 50º aniversário do ESO.
Sortearemos um vencedor e dez suplentes dentre aqueles que votaram (não necessariamente no objeto vencedor). O vencedor do sorteio ganhará um dos mais modernos iPads e os suplentes receberão produtos ESO, incluindo livros e DVDs, entre outros.
E que tal visitar o VLT para ajudar a fazer as observações do objeto vencedor?
Para ter esta oportunidade, participe do nosso segundo concurso, chamado Tweet até ao VLT! Convidamos você a publicar um tweet (em qualquer uma das línguas oficiais dos Estados Membros do ESO, incluindo o português), explicando porque é que você gostaria de visitar o VLT no Observatório do Paranal do ESO. O júri do concurso escolherá o feliz contemplado, que ganhará uma visita ao Chile, incluíndo viagem e estadia. O vencedor terá a oportunidade de visitar o VLT no 50º aniversário do ESO, em 5 de outubro de 2012, e será a pessoa que observará o objeto selecionado no concurso "Escolha o que o VLT vai observar". Como parte das nossas celebrações de aniversário, as observações serão transmitidas ao vivo para espectadores em todo o mundo.
A data limite para participar ambos os concursos é 31 de Agosto de 2012, às 18:59:59 (hora de Brasília). Informações mais detalhadas e o regulamento de ambos os concursos estão disponíveis nas páginas do ESO.

sábado, 25 de agosto de 2012

Primeiras fotos da Lua





Aproveitando a noite para testar um novo telescópio de 180 mm ( com óptica do Sebastião Santiago), montado por mim na escola Ryoiti Yassuda ( pindamonhangaba-SP) com meus alunos da disciplina de astronomia resolvi fazer algumas fotos da Lua.
Procurando algumas fotos para comparar com as minhas encontrei uma ótima publicação que relata a história das primeiras fotos feitas da lua entre 1839 e 1910 - O primeiro atlas fotográfico da Lua.
A primeira imagem fotográfica do nosso satélite é atribuída a Loius Jacques Mandé Daguerre (1787-1851) inventor do daguerreótipo. Daguerre obteve em 1839 uma imagem da Lua que, apesar do longo tempo de exposição, apenas revelou uma mancha difusa.
O observatório de Harvard, entre os anos de 1849 e 1851, realiza uma série de fotografias da Lua com sucesso sob a direcção de John William Whipple (1822-1891) e William Cranch Bond (1789-1859) utilizando uma luneta de 38 cm de abertura, esse trabalho incentivo muitos outros astrônomos a realizarem fotos da Lua com qualidade.


quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Iridium Flare - Uma luz diferente no céu.

Existem muitos fenômenos interessantes que acontecem todos os dias acima de nossas cabeças no céu, com o uso acentuado de satélites nas últimas décadas, mais uma categoria de fenômenos foi acrescentadas aos naturais, os Iridium Flare (um fenômeno artificial relacionado ao reflexo do Sol nas antenas de satélites Iridium).

Se você custuma olhar com regularidade para o céu é bem provável que você já tenha visto ou um dia veja um Iridium Flare.
Mas qual será a característica desse fenômeno?
Uma boa descrição e histórico dos Iridium Flare você pode ler em: http://noiteastronomica.blogspot.com.br/2008/04/iridium-flare-voc-ainda-ver-um.html
 Abaixo um fragmento do texto.

".. A busca por uma tecnologia melhor, que pudesse permitir a comunicação desses celulares em qualquer parte do mundo, faz com que a Motorola invista milhões na produção e lançamento de satélites, que orbitam a terra a uma altitude aproximada de 800km. Estes satélites se chamam Iridium. Foram lançados 66 satélites iridium, com o propósito de dar cobertura mundial para a comunicação móvel. Porém, devido à rápida evolução da tecnologia, pouco depois do lançamento os iridiums já estavam obsoletos e o plano da Motorola foi para "o espaço". Alguns foram destruídos, outros desativados, mas ainda há muitos lá em cima. (...) Os Iridiums possuem duas antenas de alumínio liso, que medem 188cm x 86cm x 4 cm. Há um momento em que estas antenas refletem os raios de sol, provocando um espetáculo luminoso no céu. Imagine que você está, tranqulamente, olhando para o céu e de repente você vê como que uma "estrela" em movimento. Inicialmente, esta "estrela" está com uma luminosidade fraca, depois vai aumentando rapidamente, até ser muito mais luminosa que todas as outras estrelas. Em seguida, começa a diminuir o brilho novamente, até desaparecer. Tudo isto dura poucos segundos. Você viu um Iridium Flare".

Veja um ótimo registro fotográfico de um Iridium Flare feito pelo professor Ricardo Cavallini direto de Batatais, interior de São Paulo e liberado para exibição aqui no navegando.



Para saber como localizar um Iridium Flare o segredo é saber em que lugar e horário do céu eles vão acontecer. Existem site que permitem que você obtenha esses dados para sua região, basta que você configure a localização exata de sua cidade e aí terá as informações referentes ao horário, localização e intensidade do fenômeno, um deles é o Heavens Above (em inglês), uma outra possibilidade (em português) é o site Astronomia no Zênite  no menu Meu Céu  você encontrará uma lista de cidades e o momento em que o fenômeno acontece (problema: nem todas as cidades do Brasil estão cadastradas).

domingo, 5 de agosto de 2012

Foto da Via Láctea sem o uso de telescópio

Para quem se interessa por astrofotografia uma ótima dica e passar pelo blog de Rodrigo Andolfato com excelentes dicas para quem está começando ou já é expert em astrofotos.
http://andolfato.blogspot.com.br/2012/08/quinto-eba-terceiro-dia-imagens-em.html
A foto abaixo foi feita sem o uso de telescópio, somente com um tripé para máquina fotográfica.



Via Láctea - Wide Field em Alto Paraíso - Goiás - 21 de Julho de 2012
Exposição 57x15 segundos ISO6400
Canon T2i modificada - Tripé Fixo
Empilhamento Deep Sky Stacker 3.3.3 Beta 45 (+22 darks e 10 offsets)
Pós-Processamento - Photo Sho 4.0/IRIS

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Observando manchas solares com telescópio.

Para se observar as manchas solares com telescópio é necessário sua série de cuidados, o primeiro deles é nunca olhar diretamente para o Sol a olho nu e muito menos pelo telescópio. Um segundo cuidado é verificar se não existem peças de plástico em contato direto com os raios solares ( amplificados pelas lentes), isso pode danificar seu instrumento.
Para uma boa observação procure projetar a imagem sobre uma folha de papel branco, se possível direcione a imagem para uma área sombreada, assim o contraste será maior, auxiliando a observação dos detalhes das manchas.
Outra dica é utilizar lentes tipo plossl ou outro tipo que não tenha as lentes em contato direto, eu utilizei uma plossl de 25 mm.
Para saber mais sobre manchas solares acesse: http://www.zenite.nu/02/3-solar.php








Física: XX Simpósio Nacional de Física

Física: XX Simpósio Nacional de Física: Olá Pessoal. Estão abertas as inscrições para o XX Simpósio Nacional de Física que segundo o site fará um retrospecto e estudo sobre o en...

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Os maiores observatórios terrestres do mundo- VEJA

Os maiores observatórios terrestres do mundo- VEJA

O site de VEJA visitou, no Deserto do Atacama, Chile, dois dos maiores observatórios astronômicos: o Observatório do Paranal, lar do Very Large Telescope, VISTA e VST, os maiores telescópios em suas áreas e o Atacama Large Millimiter/sub-millimiter Array, uma poderosa rede de antenas que forma o maior projeto astronômico em construção no mundo. 
Vale a pena conferir!